Resultados Preliminares

Download do arquivo

Resultados Preliminares de Março 2018

Março 2018

 

No primeiro trimestre de 2018, as vendas de cimento no mercado interno totalizaram 12,6 milhões de toneladas, de acordo com dados preliminares da indústria, divulgados hoje pelo Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC). Esse montante representa uma queda de 3,0% em relação ao primeiro trimestre de 2017.

 

Em março de 2018 foram vendidas 4,4 milhões de toneladas, com redução de 8,4% frente ao mesmo mês do ano passado. No consolidado dos últimos 12 meses (abril de 2017 a março de 2018), as vendas acumuladas totalizaram 53,2 milhões de toneladas, número 5,6% menor do que período anterior (abril de 2016 a março de 2017).

 

Na comparação por dia útil - melhor indicador da indústria por considerar o número de dias trabalhados, que tem forte influência no consumo de cimento - as vendas de cimento no mercado interno em março de 2018 apresentaram quedas de 4,6% em relação a fevereiro de 2018 e de 2,6% sobre março de 2017.

 

CONSUMO APARENTE e IMPORTAÇÃO

 

O consumo aparente de cimento no trimestre (vendas no mercado interno + importações) totalizou 12,6 milhões de toneladas em março. O número representa uma redução de 3,5% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.  

 

Na comparação do acumulado nos últimos 12 meses (abril de 2017 a março de 2018) a queda registrada no consumo aparente atingiu 5,6% sobre igual período anterior (abril de 2016 a março de 2017). As importações acumuladas neste período totalizaram 335 mil toneladas, com queda de 9,5%.

 

EXPECTATIVA DE RECUPERAÇÃO EM 2018

 

Segundo o Presidente do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), Paulo Camillo Penna, o resultado das vendas do produto no primeiro trimestre, apesar de já esperado veio um pouco aquém do que o projetado pelo SNIC. Além de um menor número de dias úteis neste primeiro trimestre, o forte regime de chuvas nos meses de fevereiro e março, influenciou bastante o desempenho das vendas, principalmente nas regiões norte e nordeste. Mesmo assim, estão em linha com as expectativas de recuperação de demanda em 2018: “Esperamos um melhor desempenho a partir do próximo trimestre e devemos fechar o ano com crescimento entre 1% e 2%”.

 

Paulo Camillo apontou que alguns indicadores já apresentam tendência positiva, deixando um cenário mais otimista para os próximos meses: “A maioria dos indicadores coincidentes e antecedentes para o consumo de cimento estão com uma tendência positiva, apenas os indicadores relacionados à confiança empresarial e do consumidor continuam impactando negativamente. Mesmo com uma melhor perspectiva para 2018, a capacidade ociosa da indústria permanecerá num nível elevado, próximo a 45%”.


Resultados Preliminares de Março 2018

Resultados Preliminares de Março 2018