Resultados Preliminares

Download do arquivo

Resultados Preliminares de Setembro 2020

Setembro 2020

Em setembro, as vendas de cimento se mantiveram em alta, em linha com as previsões mais recentes do setor, apontando a autoconstrução¹ e a continuidade das obras do setor imobiliário² como os principais vetores de consumo do produto.

O volume de vendas de cimento em setembro totalizou 5,8 milhões de toneladas, um crescimento de 21,4% em relação ao mesmo mês de 2019. No acumulado do ano (janeiro a setembro), os números também foram positivos, alcançando 44,6 milhões de toneladas, aumento de 9,4% comparado ao mesmo período do ano passado. Ao se analisar a venda do insumo por dia útil no período de 250,5 mil toneladas, a curva também é crescente com aumento de 2,5% sobre agosto deste ano e de 18,5% em relação a setembro de 2019.

Independente do uso do auxilio emergencial na compra direta de insumos da construção – cimento incluso – ou nos efeitos que tem na movimentação da atividade econômica, é inegável a alavanca desta ação governamental beneficiando a construção civil.

Apesar da redução dos números da pandemia e a retomada da maioria das atividades, o fato das pessoas ainda permanecerem mais em casa mantém os investimentos em melhorias e reformas em seus lares. Pesquisas¹ demostram que no período da pandemia (março/setembro 2020) as lojas de materiais de construção tiveram um aumento de vendas na ordem de 15%.

“Os resultados são surpreendentes até o momento, mas que não nos dá segurança a longo prazo. As vendas estão sendo sustentadas, em sua grande maioria, pelas construções imobiliárias, a manutenção do ritmo das obras e das pequenas reformas residenciais e ainda na atividade comercial que já apresenta declínio de consumo em razão do seu funcionamento. Registramos a regularidade do fornecimento de cimento, ainda que a atividade venha sendo submetida a uma enorme e inesperada pressão de demanda, principalmente a partir do mês de junho. É fundamental que os investimentos em saneamento e a retomada das obras de infraestrutura, atividades de extrema importância para a indústria do cimento, saiam do papel e integrem de vez a esperada agenda de crescimento do país.” - Paulo Camillo Penna – Presidente do SNIC

PERSPECTIVAS

Saneamento e infraestrutura

Apesar dos números positivos registrados nos últimos meses, o setor ainda sofre as consequências da forte crise entre 2015 e 2018 e a pressão de custos de energia elétrica, energia térmica, frete e outros insumos do processo produtivo do cimento.

O ponto de atenção continua sendo a ausência, em curto prazo, dos empreendimentos de infraestrutura, lançamentos imobiliários que se efetivem em obras e o comportamento da auto construção, principalmente por conta da tendência crescente dos índices de desemprego da economia e o esgotamento dos recursos pessoais destinados as reformas.

Há uma grande expectativa do início das obras de saneamento após a aprovação do novo marco legal do setor (lei nº 14.026/2020) que prevê investimentos de até R$ 700 bilhões – parte desses expressivos aportes serão em obras, que demandarão agregados, cimento, entre outros. Exemplo disto, é o resultado da recente concessão dos serviços de água e esgoto da região Metropolitana de Maceió3 na ordem de R$ 4,6 bilhões em investimentos e outorga.

A indústria do cimento é responsável por mais de 70 mil empregos, gera uma renda de R$ 26,4 bilhões ao ano e uma arrecadação líquida anual de R$ 3 bilhões em tributos. É um setor muito sensível ao cenário macroeconômico e aos estímulos governamentais. Por isso, a indústria do cimento, aguarda com ansiedade, a retomada do novo projeto habitacional do governo, “Casa Verde Amarela”, que deverá alavancar com mais força o mercado imobiliário; a retomada de importantes obras de infraestrutura e projetos subsequentes a aprovação do novo marco legal do saneamento.

Resultados Preliminares de Setembro 2020

Resultados Preliminares de Setembro 2020